quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

ENTREVISTA COM PEPETELA


Entrevista com Pepetela (1985): recolhida por Carlos Serrano

Pergunta: – Há alguma identificação pessoal com alguma personagem ou estás te fragmentando nas diversas personagens de Mayombe?
Resposta: – Sim, posso dizer que me estou fragmentando. Fragmentado, digamos, compreendendo melhor algumas personagens.
Claro, o “Sem Medo” tem algumas ideias que são minhas, mas de caráter político. Outra personagem que é importante é o “Teoria”. Não me identifico. Aí não sou eu. Mas compreendia perfeitamente. É o problema do mestiço, que me interessou e que eu pretendi escrever como problemática.
O “Mwatiânwa” também tem muito de mim, no aspecto da preocupação com a unidade nacional, e mais do que isso até, dá uma ideia internacional. Há sim. Em algumas personagens há algumas preocupações e ideias que eu tenho. Mas realmente não há nenhuma personagem que seja eu. Aliás, não há nenhuma personagem que seja real.
Todos eles são ficção, ou utilizando por vezes um ou outro dado de uma pessoa existente ali ou fora do contexto que eu conheci, numa versão.
Pergunta: – Serviu-te, enquanto escreveste este romance, a tua formação não só como militante e revolucionário, mas também a tua formação acadêmica como sociólogo?
Resposta: – Eu creio que sim. Creio que isso é importante. Digamos que são duas formações que se completam.
Há uma certa preocupação, por exemplo, em análise social, é evidente.
Sobretudo a análise do fenômeno do tribalismo, no plano social, o que é importante. É o que de uma forma empírica, portanto, eu estudava naquele momento.
É claro que isso vai aparecer no livro que eu estava a escrever naquele momento. É evidente que eu estava minimamente apetrechado para fazer a análise.
A minha formação serviu para levantar problemas. Uma pessoa que não tivesse essa formação talvez não se preocupasse com tal e tal problema e adentrar, ir mais fundo, etc.
Há uma coisa que é característica, eu penso, da Escola Sociológica francesa, que aparece lá, que é a preocupação com o relativismo.
E isso é declaradamente influência de meus estudos que temperaram bastante a possibilidade do dogmatismo que a aplicação do marxismo podia ter no final.
Pergunta: – Por que então escolheste a ficção quando poderias ter elaborado uma análise sociológica do tipo acadêmico? Foi tua posição como escritor ou a forma que encontraste de melhor objetivares os problemas?
Resposta: – É porque realmente eu sou um ficcionista, não tinha nenhum objetivo.
Eu escrevi não para publicar. Escrevi porque tinha necessidade de escrever.
Estava em cima de uma realidade que quase exigia que eu escrevesse.
Escrevendo eu compreendia melhor essa realidade; escrevendo eu atuaria também melhor sobre a própria realidade. Não quanto à obra escrita, mas pela minha atuação militante para melhor compreensão dos fenômenos que se passaram. Mas escrevia também para compreender melhor esses fenômenos. Claro que podia fazê-lo com um ensaio acadêmico, não era essa a minha intenção. Eu vejo a coisa como ficcionista.
Não houve, portanto, nenhum objeto pré-determinado para eu poder escrever sem saber o que ia escrever.
Talvez a melhor medida que permitia ver como ia acabar.
As personagens foram aparecendo, a ação foi-se desenrolando, logicamente, dentro daqueles parâmetros duma situação que existia.
Cenas imaginárias, uma ou outra pode não ser, uma ou outra não é.
Mas de um modo geral é imaginário. É imaginário, mas foi a própria dinâmica das personagens que se foi impondo e deu naquilo. Portanto, não houve nenhum objetivo.
Na época não tinha publicado nada, só alguns contos de juventude, mais nada...
Intervenção: – Desculpa, então Mayombe antecede as Aventuras de Ngunga?
Resposta: – Sim, antecede. Escrito em Cabinda em 71. Pensado em 70 mas escrito em 71. Ngunda foi escrito em 1972 na Frente Leste. Da mesma maneira, Ngunda também tem este tipo de preocupações. Mas tinha outro objetivo, já era para ser publicado. Não como livro, mas como folhas, na escola. Aí talvez se veja melhor, já há uma preocupação didática.
A questão da linguagem já é muito mais cuidada para ser entendida por crianças.
Os temas tratados mais resumidamente. Mais ou menos todos os capítulos ficaram com o mesmo tamanho, até. Havia uma preocupação didática, podiam ser distribuídos.
Aí sim já havia outro objetivo. Aí foi escolhida a ficção por ter maior impacto, as ideias passavam, as crianças e os guerrilheiros também podiam ler, intessar-se-iam porque era uma obra de ficção, complementava, digamos, o texto político que estavam acostumados a ler.
Agora o Mayombe não tem essa preocupação.
Pergunta: – Mas o material recolhido em “Mayombe” serviu-te, até certo ponto, também para o “Ngunga”?
Resposta: – Sim também. Sobre alguns fenômenos que eram mais ou menos comuns.
Agora, realmente essa questão de que a mesma coisa poderia ser feita como ensaio acadêmico, essa é uma questão importante. Mas eu me sinto muito mais à vontade fazendo ficção. já fiz alguns textos, ensaios, poucos. Mas onde estou mesmo à vontade é na ficção. É essa mesmo a minha vocação.
Pergunta: Uma outra questão é a de tu retomares literalmente o “antigamente” sobre a época do colonialismo. Não te parece que é alguma coisa intrínseca de ti mesmo de fazer uma revisão do teu passado, dos meandros que tinhas com esse momento histórico? Reviver para que te possa servir e reavaliar-te como militante, enfim tomar consciência de ti mesmo neste processo? (Referência a Yaka).
Resposta: – É um pouco isso, embora o próprio livro pudesse ser mais rico nesse aperto. Eu me preocupo muito nesse livro com a possibilidade de alguém vindo da sociedade colonial dar o “salto”. Aparece uma personagem que dá o “salto” e que depois luta contra os sul-africanos, até. Mas não me demoro muito a estudar os fatores que criam esta mudança, esta opção. E, neste aspecto, até podiam ser muitos, não o sendo neste livro.
Há qualquer coisa como uma tentativa de ver pessoalmente. Um “pessoal” que é circunscrito a um grupo. Uma pessoa, mas como outras pessoas que vêm da Resistência colonial e que a um momento dado tomam o partido nacionalista. Existe este aspecto.
A preocupação principal era a seguinte, e que, portanto, tem importância talvez para o futuro, é que me parece, exceto Castro Soromenho, não há ainda na ficção uma análise da sociedade colonial.
Ora, há muita coisa de Angola de hoje e de Angola de amanhã que encontram explicação nessa sociedade. Porque apesar da luta de libertação, apesar da Independência, etc., muita coisa ficou fundamentalmente em termos do que se pode chamar muito genericamente de cultura, incluindo comportamentos sociais, preconceitos, etc. Há uma série de reações que tiveram que são explicadas pela história colonial. Há trajetórias individuais de pessoas que só podem ser explicadas pela educação que receberam em determinado meio. Depois houve a ruptura. A Independência é uma ruptura, um trauma de que se recuperam numa nova sociedade, mas com muita coisa que vem de trás.
Pergunta: – Seria uma “crise de identidade”?
Resposta: – Uma “crise de identidade”, exato, onde as pessoas recuperam-se, mas cada vez mais buscando socorro às ordens da sociedade anterior, e fazendo até comparações com a atual, etc. O que se pode chamar de “saudosismo colonial”. Há uma série de situações deste gênero com pessoas ou personagens de todas as raças, e isso é que é importante. Porque se só fosse circunscrito à raça branca, seria um dado menor. Mas não, são de todas as raças que a um dado momento estavam a “cavalo” entre dois mundos, entre duas culturas, mesmo as populações negras que estavam urbanizadas e que sofreram esta influência preponderante. Claro, este romance não diz isso, para na altura da Independência. Mas é uma tentativa de mostrar: era assim. Havia pessoas que reagiam assim e daí facilmente se pode perceber que hoje pessoas que reagem desta maneira ou daquela, grupos sociais que reagem assim, ou assim encontram facilmente um paralelo com o que era antes. Outro objetivo é que daqui a uns tempos não haverá pessoas que tenham vivido a situação colonial por “dentro”. E toda a nova geração deverá ouvir falar, apenas. Há de haver textos de história sobre o que era o colonialismo, o que era a mentalidade do colono, etc., mas forçosamente texto de história, é uma coisa fria... e as pessoas acabam por imaginar o que seria, mas não compreender profundamente, e aí é o papel do romance, fundamental, para a nova geração conseguir “viver” um pouco o que era a vida antes. Aí há também uma preocupação de registrar para a história. E há pouca gente que escreve, que tenha tido essa vivência. E aí eu pensei, eu tenho essa vivência da sociedade colonial, eu tenho a vivência dos que se opuseram à sociedade colonial, eu sou um dos raros cinco, seis ou dez que possam fazer isso. Eram esses os meus objetivos.
Enfim, é um voltar atrás, mas com os olhos pelo menos no presente...


sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

A INGAIA CIÊNCIA, CLARO ENIGMA, CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

A INGAIA CIÊNCIA, CLARO ENIGMA, CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
TERCEIRO POEMA DA PRIMEIRA PARTE

A madureza, essa terrível prenda
que alguém nos dá, raptando-nos, com ela,
todo sabor gratuito de oferenda
sob a glacialidade de uma estrela,

a madureza vê, posto que a venda
interrompa a surpresa da janela,
o círculo vazio, onde se estenda,
e que o mundo converte numa cela.

A madureza sabe o preço exato
dos amores, dos ócios, dos quebrantos,
e nada pode contra sua ciência

e nem contra si mesma. O agudo olfato,
o agudo olhar, a mão, livre de encantos,
se destroem no sonho da existência.

TÍTULO:

·        A PALAVRA “INGAIA” ADJETIVO DE “CIÊNCIA” NÃO ESTÁ DICIONARIZADA.
·        O POETA CRIOU O TERMO A PARTIR DO ADJETIVO “GAIO”, DE ORIGEM PROVENÇAL, QUE SIGNIFICA “ALEGRE”, “JOVIAL” E ACRESCENTOU O PREFIXO LATINO “IN”, QUE É MARCA DA NEGAÇÃO, LOGO: “INGAIA” PODE SIGNIFICAR TRISTE, INFELIZ OU VELHA PARA QUALIFICAR “CIÊNCIA”, PORTANTO: “INFELIZ CIÊNCIA”.

·        A RELAÇÃO DO TÍTULO COM O POEMA SERIA: INFELIZ CIÊNCIA COMO UM CONHECIMENTO PROFUNDO ADQUIRIDO COM A MATURIDADE QUE TORNA O HOMEM INFELIZ. ASSIM, QUANDO O HOMEM ATINGE À MATURIDADE (Á COMPREENSÃO PROFUNDA DA REALIDADE), ESSA SABEDORIA O TORNA INFELIZ, POIS MOSTRA O MUNDO COMO UM “CÍRCULO VAZIO”, UMA “CELA”, DESTRUINDO-LHE O “SONHO DA EXISTÊNCIA”.

·        OUTRO SIGNIFICADO PARA A EXPRESSÃO “GAIA CIÊNCIA”, FAZ ALUSÃO AO NASCIMENTO DA POESIA MODERNA NA PROVENÇA DURANTE O SÉCULO XII.
·        O PROVENÇA ERA A LÍNGUA USADA PELOS TROVADORES DA LITERATURA MEDIEVAL.

FORMA:

·        SONETO

·        VERSOS DECASSÍLABOS HERÓICOS

·        O registro do poema é ERUDITO, elegante, com termos como “glacialidade”, “estela” (coluna mortuária) e inversões como “agudo olfato”, “que o mundo converte”.

·        RIMAS COM NASALIZAÇÃO: “prenda”, “oferenda”, “venda”, “estenda”, “quebrantos”, “encantos” que alongam, arrastam a sílaba assim como a maturidade, a velhice, a decadência se arrasta.


A madureza, essa terrível prenda
que alguém nos dá, raptando-nos, com ela,
todo sabor gratuito de oferenda
sob a glacialidade de uma estela, (estrela)

PRIMEIRA ESTROFE:

·        O primeiro verso “A madureza, essa terrível prenda”: “PRENDA” SIGNIFICA OBJETO QUE SE DÁ A ALGUÉM COMO UM AGRADO; MIMO; DÁDIVA; PRESENTE.

·        “MADUREZA” SIGNIFICA MATURIDADE.

·        ASSIM, NA EXPRESSÃO “TERRÍVEL PRENDA” FORMA UM PARADOXO, POIS O SUBSTANTIVO PRENDA, É QUALIFICADO POR UM ADJETIVO QUE CONTRARIA SUA SIGNIFICAÇÃO POSITIVA.

·        O POETA DÁ O PESO E A MEDIDA DA “MADUREZA” (IDADE MADURA), COMO UMA HABILIDADE QUE “ALGUÉM NOS DÁ”, E NO PRONOME QUE INDEFINE ESSE SER QUE NOS ENTREGA TÁL DÁDIVA, QUE PODEMOS CONSIDERAR UM PRÊMIO ADQUIRIDO PELA PRÓPRIA EXISTÊNCIA VIVIDA.

·        ESSA MATURIDADE “TIRA O SABOR”, QUER DIZER, NÃO NOS DEIXA SURPREENDER COM FACILIDADE, EIS QUE SE PERDE O PALADAR DIANTE DO NOVO, DEIXA DE SER NOVIDADE.
·        “SOB A GLACIALIDADE DE UMA ESTELA”, SOB A FRIEZA, QUASE GÉLIDA DE UMA “ESTELA”, PEDRA OU “ESTRELA”, OU SEJA, DIANTE DA FRIA CERTEZA DA MORTE, DA FINITUDE DA VIDA, MAIS UMA REFERÊNCIA ETÉREA DO POETA QUE NOS REMETE A INSIGNIFICÂNCIA DO HOMEM PERANTE O UNIVERSO.
·        É INTERESSANTE NOTAR COMO O EU-LÍRICO SE OMITE DE DIZER QUEM “NOS DÁ” A TERRÍVEL PRENDA: DEUS, A VIDA, O ACASO, O DESTINO, NÃO IMPORTA; PARA O SUJEITO POÉTICO QUE VIVE NA MODERNIDADE, O PROBLEMA FILOSÓFICO NÃO É DE ONDE VEM A MADUREZA E SIM COMO VIVER COM ELA.


a madureza vê, posto que a venda
interrompa a surpresa da janela,
o círculo vazio, onde se estenda,
e que o mundo converte numa cela.

SEGUNDA ESTROFE:

·        O POETA UTILIZA O RECURSO POÉTICO DO CAVALGAMENTO OU ENJAMBEMENT, EM QUE A SINTAXE DA ORAÇÃO NÃO SE COMPLETA NUM VERSO E PASSA PARA O PRÓXIMO, QUANDO UM VERSO CAVALGA SOBRE O VERSO SEGUINTE.
·        O ENCOBRIR OS OLHOS COM UMA VENDA, QUE TIRA A VISÃO DE LIBERDADE DA “JANELA”.

·        A CLAUSURA IMPOSTA PELA IDADE, PELOS LIMITES DO TEMPO E DA PRÓPRIA NATUREZA FÍSICA “O MUNDO SE CONVERTE NUMA CELA”.

·        A MADUREZA ASSUME UMA IDENTIDADE ANIMÍSTICA E SUA APATIA É COMPARADA A UM CÍRCULO VAZIO DE EXTENSÃO INFINITA QUE TRANSFORMA O MUNDO EM CELA.
·        É FEITA A RESSALVA QUE, MESMO QUE A IGNORÂNCIA (A “VENDA”) IMPEÇA O DELEITE PELO MUNDO (“A SURPRESA DA JANELA”), O CONHECIMENTO MADURO ROUBA-O DE INTERESSE.


A madureza sabe o preço exato
dos amores, dos ócios, dos quebrantos,
e nada pode contra sua ciência

TERCEIRA ESTROFE:

·        NOVO ENJAMBEMENT

·        A MADUREZA SABE O QUANTO CUSTA CADA MOMENTO OCUPADO SEJA AMANDO, SEJA SE DESOCUPANDO, OU SOFRENDO E NÃO PODE IR CONTRA ESSAS EXPERIÊNCIAS PRÓPRIAS DO SER HUMANO E QUE NORMALMENTE O FAZEM AMADURECER.

·        A VIDA É REPRESENTADA METONIMICAMENTE POR “AMORES, ÓCIOS, QUEBRANTOS (PAIXÕES, INDIFERENTES E RUINS), A RESPEITO DAS QUAIS A MADUREZA – EM OUTRA METONÍMIA, REPRESENTADA POR SENTIDOS AGUÇADOS E MÃO DESENCANTADA – CONHECE BEM DEMAIS AS CONSEQUÊNCIAS (O “PREÇO EXATO”).


e nem contra si mesma. O agudo olfato,
o agudo olhar, a mão, livre de encantos,
se destroem no sonho da existência.

QUARTA ESTROFE:

·        ENJAMBEMENT

·        CONTINUANDO A IDEIA DE QUE NADA PODE TAMBÉM CONTRA A PRÓPRIA MADUREZA, E CONTRA O APERFEIÇOAMENTO DOS SENTIDOS “O AGUDO OLFATO”, “O AGUDO OLHAR”, “A MÃO LIVRE DE ENCANTOS”, QUE TRABALHAM A NOSSO FAVOR PELO APURO DE SUAS HABILIDADES NÃO NOS DEIXAM ENGANAR FACILMENTE, E QUE POR FIM “SE DESTROEM NO SONHO DA EXISTÊNCIA”, PORQUE CAMINHA-SE INEVITAVELMENTE PARA O FIM.
·        E ESSA É A MAIOR CERTEZA QUE A MADUREZA “ESSA TERRÍVEL PRENDA” NOS DÁ.

ANÁLISE:
·        POESIA METAFÍSICA DE REFLEXÃO SOBRE A ESSENCIALIDADE DO SER HUMANO, QUE INCLINA PARA UM EXISTENCIALIMSO NIILISTA.
·        O POEMA QUESTIONA O SABER DA “INGAIA CIÊNCIA”, CUJA CLARIVIDÊNCIA DESENCANTADA IRONICAMENTE SE DESTRÓI A VIDA: “NO SONHO DA EXISTÊNCIA”.
·        A IDEIA DE MADUREZA CONTÉM A IDEIA DE DISSOLUSÃO, POIS QUE TAMBÉM FISICAMENTE É O AMADURECIMENTO DA MATÉRIA QUE SE DILUI E SE TRANSFORMA.
·        ASPECTO POSITIVO: O ACÚMULO DE EXPERIÊNCIAS. NEM TUDO SÃO PERDAS, POIS ALGO FICA, ALGO SE GANHA. QUEM SABE A CERTEZA DAS INCERTEZAS, A LUCIDEZ DIANTE DAS ADVERSIDADES E DOS MOMENTOS DE PRAZER.
·        CONCEITO DO ETERNO RETORNO. A VIDA É FINITA, QUE SEMPRE TENDE A DESREALIZAÇÃO, À TRISTEZA.
·        TAMBÉM O ARGUMENTO MUDA NA PASSAGEM DOS QUARTETOS PARA OS TERCETOS. ATÉ ENTÃO, A MADUREZA APRECIA COMO UMA FORÇA TERRÍVEL CONTRA OS HOMENS. A PARTIR DO VERSO 11, ELA PASSA A SER TERRÍVEL CONTRA SI MESMA – NÃO É MAIS APENAS INOCÊNCIA OU O EU-LÍRICO QUE SOFREM COM A MADUREZA, MAS ELA PRÓPRIA: “NADA PODE CONTRA SUA CIÊNCIA”. E MAIS, NA CONCLUSÃO, A MADUREZA SE DESTRÓI “NO SONHO DA EXISTÊNCIA”.
·        PRIVADO DA CERTEZA APÁTICA QUE ATÉ ENTÃO A MATURIDADE LHE TROUXERA, O EU-LÍRICO DESCOBRE-SE AGORA DISSOLVIDO EM UMA EXISTÊNCIA SEM SIGNIFICADO: UM SONHO VAZIO.
·        O POEMA É COMPARÁVEL COM OS MITOS DE QUEDA, COMO O GÊNESS BÍBLICO OU O ROUBO DO FOGO PELO PROMETEU GREGO – MITOS EM QUE O CONHECIMENTO APARECE COMO UM PRESENTE OU OFERTA COM CONSEQUÊNCIAS DOLOROSAS E INEVITÁVEIS. O POEMA NÃO BUSCA PROXIMIDADE COM OS MITOS EXPLICITAMENTE; PORÉM, ELE TOCA O SIMBÓLICO AO EMPREGAR.
·        DRUMMOND DIALOGA COM NIETZSCHE EM “INGAIA CIÊNCIA”, UM POEMA QUE TRATA DOS MESMOS PROBLEMAS EXISTENCIALISTAS ENFRENTADOS PELO FILÓSOFO ALEMÃO, MAS DRUMMOND SITUA-SE NO TOM PRECISAMENTE OPOSTO AO NIETZSCHE, “GAIA CIÊNCIA”, TEMA DE UM DE SEUS TRATADOS DE FILOSOFIA, NO QUAL EMPREGA-O PARA DESCREVER NÃO APENAS A POESIA, MAS A PRÓPRIA ATITUDE ENÉRGICA E “DANÇANTE” DOS CAVALEIROS-CANTORES PROVENÇAIS, ELEITA POR ELE COMO UMA ESPÉCIE DE NOVA MORAL CONTRA O NIILISMO.